sábado, 24 de janeiro de 2015

Review: Puma GTS/GTC


A década de 1970 foi o auge da Puma Automóveis no mercado brasileiro, com a importação de automóveis proibida e a crise do petróleo, que estimulou a comercialização de modelos mais econômicos e compactos. Atualmente, a Puma está retornando às pistas com um conversível que retoma suas origens de forma alinhada aos nossos dias, contando com motor 1.6 de 250 horsepower. A história do Puma Conversível iniciou há 45 anos: baseado no modelo GTE, a versão sem capota foi lançada em 1970 com motor 1600 VW. A primeira unidade do esportivo de fibra de vidro foi adquirida pelo médio-volante Clodoaldo, atuante na seleção brasileira de futebol, que naquele ano se sagrou tri-campeã mundial.



Tempos depois, em 1973, surgiu o GTS (spider), que seria reestilizado em 1977. A mecânica permanecia a 1600 da Volkswagen, com 70 cavalos, câmbio e tração traseiros, além do câmbio manual de 4 marchas. Em 1979, o GTS ganhava a companhia do GTB S2, com motorização seis-cilindros do Opala.

Em 1980, o Puma GTS deu lugar ao modelo GTC (conversível), lançado como modelo 1981 e praticamente idêntico às unidades que eram exportadas. As principais mudanças estavam nos para-choques mais proeminentes, piscas movidos para as laterais, novas maçanetas (do Alfa Romeo 2300) e traseira reformulada, com lanternas da VW Brasília. Até 1985, foram 1740 unidades produzidas.


O Puma das imagens é um GTC, certo? Em verdade, em seu registro consta ser um GTS 1979, reformado para ficar praticamente idêntico ao modelo mais recente - um pecado nos dias de hoje (e que inviabiliza a conquista da placa preta, de automóveis de coleção), mas uma prática que deixava seu aspecto mais moderno e o valorizava, naqueles tempos de crise. Praticamente todos os detalhes remetem fielmente ao GTC e, externamente, o conversível estava em boa forma.

A título de curiosidade, este modelo estava à venda, e de acordo com o anúncio do proprietário, recebeu revisão no motor e novos componentes, como piso, motor de arranque, freios, câmbio, alternador, bateria e caixa de direção.


Jeep Grand Cherokee 2014 está envolvido em recall


A Jeep convoca 1039 unidades do SUV Grand Cherokee, ano e modelo 2014, para o recall de atualização do Módulo de Controle de Bordo, com a adoção de novo software. Em caso de queima das luzes traseiras de seta, o alerta visual e sonoro que avisa o motorista sobre a inoperância dessas lâmpadas pode apresentar falha. Sem saber, o condutor pode efetuar uma conversão sem saber que as luzes de seta não são visíveis, podendo causar risco de colisões com consequentes danos físicos e materiais aos ocupantes e a terceiros. 

O tempo estimado para a atualização do software do Módulo de Controle (incluindo conexão e download da nova versão do software) é de aproximadamente 30 minutos, mediante agendamento prévio nas concessionárias Chrysler/Jeep/Dodge/RAM.

Chassis envolvidos

1C4RJFAG0EC265218 a 1C4RJFBMXEC487334

Maiores informações

0800 703 7150

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Lifan convoca recall para o X60


A Lifan está convocando a partir de hoje os proprietários de unidades do X60 fabricadas em 2013 e 2014 (inclui os modelos 2013, 2014 e 2015) para inspeção e substituição do conjunto da fivela do cinto de segurança dianteiro. A inconformidade de comprimento em parte do lote do cabo de aço do conjunto da fivela dos cintos gera risco de rompimentos prematuros quando o cabo da fivela for curvado ao extremo repetitivamente.

Existe o risco do rompimento do cabo de fixação da fivela do cinto de segurança dianteiro, podendo ocasionar acidentes com lesões graves e até fatais aos ocupantes do veículo e a terceiros. Este rompimento também pode ocasionar problemas no acionamento dos airbags e proteção dos passageiros; de acordo com a montadora, não há relatos de acidentes ou lesões até o momento. O tempo previsto de inspeção e reparo é de 20 minutos, em quaisquer oficinas autorizadas Lifan, mediante prévio agendamento. 

Chassis envolvidos (não-sequenciais)

9UK64ED50D0015277 a 9UK64ED5XF0089616

Maiores informações 

(011) 2811-8517, das 8:00 às 17:30

Salão do otimismo [Alta Roda]


Há apenas cinco anos o Salão do Automóvel de Detroit experimentou uma crise com espaços vazios entre estandes de construção mais modesta. Mas graças à reação do mercado americano que alcançou no ano passado 16,5 milhões de automóveis e comerciais leves (recuperação incrível de quase 60% sobre 2009), o clima na exposição é outro, até seu encerramento neste dia 25. Em 2015 se esperam 17 milhões de unidades, próximo ao recorde de todos os tempos.


Gasolina teve queda de mais de 40% nos EUA desde junho último. Então há permissividade para promover supercarros que arrebatam atenções. Um deles, o Ford GT inclui muitas peças em compósito de fibra de carbono, aerodinâmica ousada e motor com mais de 600 cv. A fábrica não liberou ficha técnica e nem confirmou a produção, que parece certa. Já o Acura/Honda NSX impressiona pelo estilo, tração 4x4, motor a combustão e três elétricos (dois na frente e um atrás) que, em conjunto, entregam 550 cv.


Cadillac seguiu nessa linha ao desafiar os sedãs alemães mais potentes com o CTS-V. Motor de 640 cv é o mesmo do Corvette Z06 e capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em estonteantes 3,7 s. Essa “invasão” de fabricantes de alto volume nos domínios das marcas de prestígio se explica porque estas representam apenas 10% das vendas mundiais, porém respondem por 35% dos lucros de toda a indústria. Também justifica o Buick Avenir, sedã grande conceitual (praticamente pronto para produção), cujo alvo é o mercado chinês, onde essa divisão da GM vende 80% do que produz.


Muitos executivos não acreditam que a gasolina continuará tão barata e, assim, continuam a investir em alternativas. A Chevrolet se destacou ao apresentar seu primeiro modelo totalmente elétrico desde os tempos do GM EV1, de 1996. O Bolt, minivan a bateria cuja autonomia promete dobrar para 320 km, teria preço na faixa do Nissan Leaf. Data provável de lançamento em 2017, mas a segunda geração do Volt, que estreou na exposição, chegará em 2016. Além da reestilização, acomodará três pessoas no banco traseiro e autonomia de 80 km no modo elétrico, 25% maior.


Alemães contra-atacaram no segmento de SUV, que continua a crescer muito nos EUA. O inteiramente novo Mercedes-Benz GLE Coupe (misto de cupê e utilitário, como BMW X6) e o retocado Audi Q7, com menos 325 kg de peso, destacaram-se. A Volkswagen exibiu o conceitual Cross Coupé GTE (quase pronto) a ser fabricado nos EUA.


Picapes perderam parte de seus compradores americanos para SUVs. Não impediu, porém, de a Nissan apresentar a nova Titan e rivais de (alto) peso mostrarem versões especiais: F-150 Raptor e RAM Rebel. Modelos médios de picapes viram seu espaço quase desaparecer nos EUA. Ainda assim, Toyota reformulou a Tacoma (pouco menor que a Hilux argentina, de projeto diferente) que só tem como rival a Chevrolet Colorado (mesma S10 nacional com retoques).


Curiosamente, a Hyundai, que nunca fabricou picapes, escancarou seu primeiro modelo médio (conceitual), o Santa Cruz. Linhas audaciosas, cabine com portas traseiras de abertura reversa, tração 4x4 e extensor de caçamba indicam que deve ser mesmo lançada, em um ou dois anos. Aposta de risco, lá; aqui, nem tanto...


RODA VIVA

PARECE que executivos, quando no exterior, ficam mais propensos a soltar informações. Jaime Ardila, presidente da GM América do Sul, confirmou em Detroit que a empresa produzirá um motor de 3 cilindros/1 litro (origem Opel) em Joinville (SC), já comentado aqui. Disse que a linha compacta brasileira (substituta de Celta/Classic) terá um SUV. Coluna aposta no sucessor do Tracker.

FUTURO Gol (2017) usará arquitetura MQB (não a NSF, do up!), da mesma forma que o próximo Polo alemão. Polo atual parou de ser produzido no final de 2014 em São Bernardo do Campo (SP) e não deve voltar mais. Desta fábrica, além do Jetta, sairá também um furgão baseado na Saveiro. Marca Gol, no entanto, poderá aparecer também no exterior, entre up! e Polo.


AVALIAÇÃO conjunta, na cidade e em rodovias, do Ka com motor 1,5 e do Ka+ 1,0 revelou coisas interessantes. Menor peso, de fato, dá mais agilidade ao hatch, mas motor de menor cilindrada no sedã também vai bem. Diferença de desempenho menor do que se supõe. Ford equilibrou as duas versões, ao atuar na relação final de transmissão, sem prejuízo de consumo.


PARTE da queda de vendas neste início de ano reflete a disputa ente Fiat e VW pela liderança entre Gol e Palio+Palio Fire. Gol teve unidades emplacadas, em dezembro último, sem comercialização imediata e essa diferença aparece em janeiro. Para o ano de 2015, no entanto, não seria improvável crescimento de 1% sobre 2014, apesar da maioria de previsões pessimistas.

CARTEIRA Nacional de Habilitação e os documentos de registro e de licenciamento anual do veículo receberão código QR para leitura em aplicativos de smartphones dos agentes de trânsito. Dificultará bastante as falsificações. Processo de impressão será mais seguro. Tudo a partir de 1º de julho próximo.

Fernando Calmon (fernando@calmon.jor.br), jornalista especializado desde 1967, engenheiro, palestrante e consultor em assuntos técnicos e de mercado nas áreas automobilística e de comunicação. Sua coluna automobilística semanal Alta Roda começou em 1º de maio de 1999. É publicada em uma rede nacional de 98 jornais, sites e revistas. É, ainda, correspondente no Brasil do site just-auto (Inglaterra).


quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Toyota apresenta RAV4 2.0 4x2 CVT TOP


O Toyota RAV4 traz algumas novidades na linha 2015, sendo a principal delas a inclusão de uma quarta versão ao seu portfólio, a 2.0 4x2 CVT TOP, que mescla o pacote completo de equipamentos com os itens antes disponíveis somente na versão com tração nas quatro rodas. Externamente, esta versão conta com detalhe cromado no para-choque dianteiro, rodas de liga leve 17'' escurecidas e retrovisores externos eletricamente retráteis com desembaçador.


De série, a versão traz sistema Smart Entry (destravamento das portas pela proximidade da chave e ignição por toque de um botão), nova central multimídia com câmera de ré (agora de série em todas as versões) com tela touchscreen de 7 polegadas, GPS, Wi-Fi, Rádio AM/FM/CD/MP3/DVD Player/MP3, Bluetooth, entradas USB e auxiliar, além do ar-condicionado dual zone automático com display digital.

Outros itens presentes no RAV4 2.0 4x2 CVT TOP são: computador de bordo com sete funções, retrovisor interno eletrocrômico, vidros elétricos com abertura e fechamento por um toque com recurso antiesmagamento (para o motorista), controle de velocidade de cruzeiro, ajustes elétricos do banco do motorista (distância, inclinação, altura e lombar), bancos dianteiros com aquecimento e revestimento mesclando couro e material sintético; ganchos para amarração de cargas e fixação de bagagens no porta-malas, oito airbags – dois frontais, dois laterais e quatro de cortina – alerta sonoro para uso dos cintos de segurança dianteiros (com regulagem de altura e pré-tensionadores), freios ABS nas quatro rodas com EBD (distribuição eletrônica de força de frenagem) e BAS (assistente de frenagem de emergência).


O RAV4 2.5 4x4 passa a contar com câmera de ré integrada à central multimídia, enquanto a opção 2.0 4x4 CVT agrega, teto solar elétrico e as rodas de liga leve aro 17'' com acabamento escurecido. Segundo o Inmetro, as versões 2.0 4x2 e 4x4, com motor de 145 cavalos, consomem 9,5 km/l de gasolina na cidade e 10,9 km/l na estrada, enquanto a 2.5 4x4, de 179 cv, consome 8,7 km/l na cidade e 10,9 km/l na estrada.

Outra novidade é a cor Vermelho Granada, metálica. Há ainda as opções Branco Perolizado, Prata Metálico, Preto Eclipse, Cinza Galático e Marrom Metálico. O RAV4 2015 parte de R$ 110 200 na versão 2.0 4x2 CVT, enquanto a nova versão custa R$ 123 700. O modelo 2.0 4x4 agora custa R$ 132 000, e o 2.5 4x4 com câmbio automático de 6 marchas, R$ 137 600.


quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Volkswagen convoca Golf GTI, Jetta TSI e Fusca para recall


Além do recall que envolve unidades do Fox, CrossFox, SpaceFox e Space Cross, a Volkswagen também convoca proprietários de Fusca TSI 2014 e 2015, Golf GTI 2015 e Jetta TSI 2014 para a substituição da galeria de distribuição de combustível. As unidades foram fabricadas entre 04 de abril e 09 de dezembro de 2014. Foi constatada a possibilidade de falha de solda na vedação da galeria que distribui a gasolina.


Há risco de vazamento de combustível e incêndios e acidentes fatais ou graves com danos físicos e materiais aos ocupantes e a terceiros. A substituição da galeria de distribuição de combustível ocorre em aproximadamente três horas, mediante prévio agendamento a partir de hoje (21/01/2015).


Chassis envolvidos (não-sequenciais)

Fusca - EM653502 a FM611081
Jetta - EM047134 a EM069534
Golf - FM031273 a FM049246

Maiores informações

0800 055 5765
http://www.vw.com.br/pt/servicos/recall.html

Volkswagen convoca recall de Fox, CrossFox, Space Cross e SpaceFox 2014


A partir de hoje (21 de janeiro), a Volkswagen realiza o atendimento das unidades do Fox, SpaceFox, Space Cross e CrossFox de ano/modelo 2014/14 [fabricadas entre 13 de março e 18 de julho de 2014] para recall de substituição da unidade de comando do sistema de airbag, que pode conter um sensor defeituoso.


Em caso de colisão, os airbags podem não funcionar adequadamente; pode ocorrer também o inverso, abrir involuntariamente sem impacto, podendo causar acidentes fatais ou graves com danos físicos e materiais aos ocupantes e a terceiros. A substituição da unidade de comando do sistema de airbag leva aproximadamente uma hora e pode ser feita gratuitamente nas oficinas autorizadas VW mediante agendamento prévio.

Chassis envolvidos (não-sequenciais)

Fox - 4137788 a 4170711
CrossFox - 4134743 a 4168992
SpaceFox - 4138212 a 4156764 e A531637 a A536220
Space Cross - A531656 a A536146

Maiores informações

0800 055 5765

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Kia Quoris enfim chega ao Brasil, custando R$ 249 900


Fotos | Rafael Susae e Divulgação

Desde o lançamento, em 2012, o Kia Quoris (o sedã topo-de-linha da montadora sul-coreana, equivalente ao Hyundai Equus e conhecido como K9 em seu país de origem, ou ainda como K900 nos Estados Unidos e Canadá) é cotado para ser comercializado no Brasil, inclusive estando presente no Salão do Automóvel de São Paulo nas duas edições mais recentes. Agora, devidamente promovido na novela Império, o gigante de 5,09 metros de comprimento passa a ser comercializado nacionalmente pelo preço de R$ 249 900, desconsiderando o valor do frete. Aristocrata, estará disponível em apenas quatro cores: Prata Brilhante, Preto Aurora, Azul Formal e Branco Neve.



Para justificar os 110 mil reais de diferença em comparação com o Cadenza, o Kia Quoris traz uma longa lista de itens de série: ar-condicionado automático digital com três zonas de temperatura, bancos dianteiros e traseiros com ajustes elétricos (inclusive lombar) e opção de aquecimento e resfriamento; botão de ignição por reconhecimento da chave Smart Key, descansa-braço traseiro com controles do sistema multimídia, ar-condicionado e ajuste de temperatura de banco; freio de estacionamento elétrico, duas telas LCD de 9,2 polegadas para quem senta atrás, sistema multimídia Lexicon com CD/MP3/DVD Player, comandos no volante e entradas auxiliar/USB/iPod, retrovisores externos com regulagem elétrica, rebatimento automático, aquecimento e luzes de seta com LEDs; faróis de xenônio com lavador de alta pressão, regulagem automática de altura e sistema de facho adaptativo; rodas aro 18'' com pneus 245/50, teto solar duplo panorâmico, airbags frontais, laterais, cortina e para os joelhos do motorista, alavanca de câmbio no estilo joystick com Shift-by-wire, controles eletrônicos de estabilidade e tração, seletor de modos de condução (Normal/Eco/Sport/Snow), freios a disco nas 4 rodas com ABS, BAS e EBD, controlador de velocidade, sensor de chuva, câmeras dianteira e traseira para auxílio na manobras, entre outros itens.


O motor 3.8 V6 de 24 válvulas produz 294 cavalos a 6200 rpm (apenas 4 cv a mais que o 3.5 do Cadenza) e torque de 36,5 kgfm a 4500 rpm. A transmissão automática de oito marchas conta com opção de trocas sequenciais. A tração é traseira, o que certamente interferiu na capacidade de seu porta-malas, com modestos 455 litros. Sua garantia, como a dos outros Kia, é de 5 anos ou 100 000 quilômetros.

McLaren apresenta 650S Le Mans


A McLaren comemora os 20 anos da vitória do F1 GTR nas 24 Horas de Le Mans com a série do esportivo 650S, que leva o nome do circuito. Em 1995, os cinco modelos inscritos na competição cruzaram a linha de chegada em primeiro, terceiro, quarto, quinto e décimo-terceiro colocados. Limitado a 50 unidades e oferecido apenas com carroceria Coupé, o 650S Le Mans recebe detalhes que lembram o GTR campeão, número 59: rodas mais leves (aro 19'' na frente e 20'' atrás, com pneus Pirelli P Zero Corsa), spoilers de fibra de carbono, pintura Sarthe Grey com detalhes contrastantes alaranjados nas pinças de freios e na inscrição "Le Mans" nas saias laterais, além da entrada de ar frontal esculpida no teto.


Por dentro também predominam os tons escuros; os bancos de couro Alcantara contam com detalhes na cor laranja. Em termos de desempenho, segue com o motor 3.8 V8 Twin-Turbo de 650 cavalos e torque de 69,1 kgfm, que o permite acelerar de 0 a 100 km/h em 3 segundos e alcançar velocidade máxima de 333 km/h. O McLaren 650S Le Mans começa a ser comercializado na Europa em meados de 2015, pelo preço de £ 244 500.

Hoje é Dia Nacional do Fusca!


Um dos carros mais queridos pelos brasileiros, o Volkswagen Fusca tem até duas datas especiais: no dia 20 de janeiro é celebrado seu dia nacional, desde o ano de 1989; existe também seu dia mundial, em 22 de junho. No Brasil, a trajetória do besouro iniciou em 1950, importado da Alemanha pela Brasmotor, e em 1959, já era produzido em São Bernardo do Campo (SP) com 95% de seus componentes nacionalizados. Era oficialmente chamado de "Sedan" (referência aos três volumes da carroceria) ou "1200" (volume do motor em centímetros cúbicos), mas a voz do povo brasileiro transformou "Folks" em Fusca (ou Fuque/Fuca, dependendo da região). Fato é que o pequeno VW alcançou grande sucesso no mercado nacional, sendo o automóvel mais vendido do País entre 1960 e 1982, graças à facilidade de manutenção, ao conjunto mecânico robusto e ao baixo consumo de combustível.


Ao longo de sua longa trajetória, o Fusca teve várias versões: 1200, 1300 (Tigre), 1500 (Fuscão), 1600-S (Super Fuscão/Bizorrão), com teto solar (Cornowagen, que maldade...), e esteve acompanhado de uma grande família, composta por Kombi, Variant, Karmann-Ghia, TL, SP2, 1600 "Zé do Caixão" e Brasilia. Isso sem falar que seu chassi e componentes mecânicos deram origem a buggies e dezenas de fora-de-série nacionais, como Puma, MP Lafer e Gurgel. Seu auge ocorreu nos primeiros anos da década de 1970: vendeu mais de 223 mil unidades no ano de 1972.

Apenas em 1984 a VW passou a adotar o nome popular oficialmente. Naquela época, o Fusca já não vendia como outrora e optou-se pela racionalização da linha de produção, abrindo mais espaço para a família Gol. Desta forma, a produção do besouro foi encerrada em 1986, com a Última Série para marcar sua despedida: uma unidade para cada concessionária Volkswagen na época.



Mas o Fusca ressuscitou em 1993, atendendo a um pedido do então presidente do Brasil, Itamar Franco. A Volks teve que recomprar o ferramental e utilizar Fuscas usados como parâmetros para retomar a produção, e adaptar volante e bancos das versões mais simples do Gol. Com campanhas bem-humoradas, porém sem os atrativos de outrora em meio a compactos modernos como o Corsa, o Fusca deixou de ser produzido em junho de 1996 (vítima tanto das vendas minguantes quanto das leis antipoluição de 1997, que fizeram até a vetusta Kombi se converter à injeção eletrônica), contabilizando mais cerca de 46 000 carros às 3,3 milhões milhões de unidades produzidas até 1986. No ano 2000 foi lançado o New Beetle, baseado no Golf IV, porém com diversos detalhes que lembravam seu antepassado, como o visual externo, o vasinho de flores e as alças laterais. Popularizou-se na segunda metade dos anos 2000, já levemente reestilizado, pois chegava a ser mais barato do que o Golf "4,5".



Já em 2012, a VW resgatou o nome popular, assim como outros países. O atual Fusca, baseado no Golf VI, guarda apenas no visual algumas semelhanças com o velho besouro, a começar pelo motor refrigerado a água (2.0 de 211 cavalos) e tração dianteira, o oposto do original. E, enquanto o Fusca do século passado era o carro do povo, o novo é para a "elite": custa R$ 87 210 sem opcionais.

E porque justo o dia 20 de janeiro é o Dia Nacional do Fusca? No início de 1989, quando a VW anunciou a data para homenagear o besouro, a montadora não apresentou uma razão específica, mas certamente o Fusca Club influenciou na decisão: grande parte dos membros queria comemorar no 20 de novembro, mas houve atraso na preparação da festa e ela foi adiada para janeiro, aproveitando os adesivos que já tinham sido impressos com a data (uma solução tão econômica quanto o carro...).

As atrações da Newland Jaguar-Land Rover


Concluída e aberta ao público em dezembro de 2014, a Newland - mais recente autorizada nacional das inglesas Jaguar e Land Rover - foi inaugurada em Teresina (PI) no dia 15 de janeiro. Nós do Auto REALIDADE não chegamos a fotografar os modelos Evoque e F-Type com carroceria decorada ao estilo da Union Jack da bandeira britânica preparados para esta apresentação oficial, mas tivemos contato com todos os modelos atualmente comercializados pela concessionária, que também presta serviços de manutenção e test-drive. A chegada de grande parte da gama de modelos das marcas à capital do Piaui reflete o crescimento do mercado de automóveis premium (o que está incentivando montadoras estrangeiras a produzirem alguns de seus modelos no Brasil) e a instalação de concessionárias da Mercedes-Benz (Newsedan, em setembro de 2013) e Audi (Center Teresina, em agosto de 2014), ambas bem-sucedidas por aqui.



O Freelander 2 chegou ao Brasil em 2007 e com o passar dos anos recebeu face-lift e nova motorização; em 2015, o SUV de entrada da Land Rover será substituído pelo Discovery Sport (que, inclusive, será produzido nacionalmente em Itatiaia, RJ a partir do próximo ano). Apesar do fim de linha iminente, o Freelander mantem sua robustez externa aliada ao bom acabamento e espaço interno. Seu motor é o 2.2 Diesel quatro-cilindros de 190 cavalos e torque de 42,8 kgfm a 1750 rotações por minuto; de acordo com a Land Rover, o modelo acelera de 0 a 100 km/h em 9,5 segundos e chega à velocidade máxima de 190 km/h.



Nesta versão SE, o Freelander traz câmbio automático de seis marchas, sete airbags, tração integral permanente, ar-condicionado com duas zonas de temperatura, sistema Terrain Response, controlador de velocidade automático, sistema de som com oito alto-falantes, entrada para USB e iPod, conexão com celulares via Bluetooth, rodas aro 18”, faróis de xenônio com luzes diurnas de LEDs, luzes de neblina e jatos de lavagem, bancos de couro granulado, retrovisores elétricos com aquecimento e recolhimento elétrico, controles eletrônicos de estabilidade e tração, sistema atenuador de rolagem, controle de frenagem em curvas e de descida em declives, freios a disco nas quatro rodas com ABS, EBD e auxílio a frenagens de emergência (EBA), volante com comandos de som e computador de bordo, alarme perimétrico, sensor de estacionamento dianteiro e traseiro com câmera de ré, sistema ISOFIX de fixação de cadeirinhas infantis e tela sensível ao toque de 7 polegadas ao preço de R$ 159 990 (sem considerar acessórios como capas cromadas dos retrovisores externos, soleiras, cabide para casacos e tampas das válvulas estilizadas, que acrescentam R$ 6090).



Conhecido dos brasileiros por seu magnetismo visual, o Range Rover Evoque já deu as caras na Newland em variadas configurações, entre elas a série especial Zanzibar, baseada na versão Dynamic e limitada a 45 unidades para o Brasil. Externamente, detalhes como retrovisores externos, rodas aro 20'', grade, moldura dos para-choques e das saídas de ar laterais são pintados em preto brilhante, que contrasta com a tonalidade metálica Bronze Zanzibar da carroceria. Por dentro, o acabamento predominantemente preto traz costuras contrastantes na cor branca e detalhes em alumínio; as soleiras metálicas são iluminadas, o volante é revestido em couro perfurado Oxford e o sistema de som Meridian traz 11 alto-falantes, subwoofer e potência de 380 Watts. O motor é o mesmo 2.0 Turbo a gasolina de outras versões, que rende 240 cavalos e 34,7 kgfm de torque a partir de 1750 rpm, associado ao novo câmbio automático de nove marchas. A Land Rover afirma que o Evoque Zanzibar acelera de 0 a 100 km/h em 7,6 segundos e chega a 217 km/h de velocidade final. Seu preço é de R$ 237 500, sem incluir acessórios.



Para quem quer economizar há a versão Prestige SD4, com motor movido a diesel (menos potente do que o 2.0 a gasolina, com 190 cv, porém com mais torque, 42,8 kgfm), também contando com câmbio automático de nove marchas. Esta versão acelera de 0 a 100 km/h em 8,5 segundos e chega à velocidade máxima de 195 km/h. Em termos de acabamento e equipamentos, é idêntico ao modelo a gasolina: traz bancos em couro Oxford com ajustes elétricos nos assentos frontais, sistema de áudio Meridian com onze alto-falantes, subwoofer e potência de 380 Watts, faróis de xenônio adaptativos com LEDs, freio de estacionamento elétrico, teto panorâmico fixo, rodas aro 19'', assistente de partida em ladeiras, controle de descida em declives, controle dinâmico de estabilidade, Terrain Response, retrovisores externos com memória e inclinação ao se acionar a ré, Start/Stop automático, aviso do uso do cinto de segurança, tela colorida de cinco polegadas entre os instrumentos, iluminação interna configurável, além de outros itens. Esta versão custa R$ 224 900; para ficar igual ao das imagens basta acrescentar tampas das válvulas estilizadas e tapetes de borracha, resultando no preço de R$ 225 940.


Com espaço farto para sete pessoas, o Discovery passou por uma atualização visual em 2014, conservando o espaço interno excepcional e o pacote completo de equipamentos na versão SDV6 HSE: teto solar duplo, suspensão a ar, ar-condicionado com duas zonas de temperatura, rodas aro 20'', sensores de estacionamento dianteiro e traseiro com assistente, freio de estacionamento elétrico, bancos de couro com ajustes elétricos e memórias de posição, computador de bordo com tela monocromática e central de mensagens, controles de aceleração gradativa, de rolagem, de estabilidade/antirrolagem e de descida em ladeiras; piloto automático, sistema multimídia com TV Digital, Bluetooth e entradas para iPod e dispositivos USB; tração independente nas quatro rodas, câmbio automático de oito marchas e duas telas integradas à parte de trás dos encostos de cabeça, para os ocupantes da segunda fileira de bancos.


Na versão HSE (equipado com o motor 3.0 a diesel de 256 cavalos e 61,2 kgfm de torque, que o faz acelerar de 0 a 100 km/h em 9,3 segundos e alcançar velocidade máxima de 180 km/h), o Discovery 4 custa R$ 337 200; para ficar igual ao das imagens, acrescentam-se cabide, tapetes e soleira para o para-choque traseiro, totalizando R$ 340 880.



Mas o mais luxuoso entre os Land Rover disponíveis é mesmo o Range Rover Sport HSE. Com linhas externas e internas similares às do Evoque (porém em carroceria nitidamente maior, de 4,85 metros de comprimento e 1,80 metro de altura), existem versões movidas a diesel ou gasolina. O modelo das imagens, assim como o Discovery, traz o motor 3.0 SDV6, recalibrado para render 292 cavalos, mantendo o torque de 61,2 kgfm - o Sport acelera de 0 a 100 km/h em 7,2 segundos e chega a 210 km/h de velocidade final. Entre os itens de comodidade, estão: ar-condicionado com quatro zonas de temperatura (com interface digital também para os ocupantes de trás), revestimento Premium de couro, sistema de som Meridian com 23 alto-falantes (!!) e 1700 Watts, com efeito sonoro tridimensional; teto solar panorâmico, coluna de direção com ajuste elétrico, rodas aro 20'', faróis de xenônio com assistente de luz alta, display de informações no quadro de instrumentos com tela colorida de cinco polegadas, alarme volumétrico, controle dinâmico de estabilidade, sistema multimídia com tela touchscreen de 8 polegadas, gravador de dados de eventos, Bluetooth com streaming de áudio, servidores de áudio e navegação com disco rígido e portas que se fecham sozinhas, caso você as bata com pouca força.

Enquanto o luxuoso Vogue não chega à Newland, o Range Rover Sport ostenta a etiqueta de preço mais alta entre os Land Rover: R$ 419 900 (equipado com barras longitudinais de teto, tapetes e porta-bagagens retrátil, atinge R$ 426 490).


Entre os Jaguar (dispostos à esquerda da loja, vistos da fachada), o XF é o mais acessível, ao menos enquanto não chega o XE, apresentado no Salão de São Paulo. Curiosamente, no Piauí ele não possui concorrentes diretos (BMW Série 5, Volvo S60 e Lexus IS não possuem revendas por aqui), e o maior rival por aproximação (o Mercedes-Benz Classe E, à direita) é comercializado pelo próprio grupo Newland...



Esta é a versão intermediária Sport Luxury Tech, que conta com faróis de bi-xenônio, rodas "Vela" aro 18'', monitoramento de veículos em pontos cegos, couro Soft Grain nos bancos e revestimentos, duas saídas de ar-condicionado para os ocupantes traseiros, sistema de som Meridian de 11 alto-falantes e 380 Watts, central multimídia com tela sensível ao toque de 7 polegadas e entradas USB/iPod, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro com câmeras e indicação de obstáculos a até 1,80 metro de distância, abertura e partida sem inserção da chave, monitoramento da pressão dos pneus, sistema de navegação e teto solar elétrico. O motor é o mesmo 2.0 Turbo do Evoque a gasolina, com 240 cavalos e 34,7 kgfm de torque entre 2000 e 4000 rpm, ao passo que o câmbio automático possui 8 marchas e paddle-shifts para trocas sequenciais: assim, o XF acelera de 0 a 100 km/h em 7,9 segundos e chega a 209 km/h. Seu preço por aqui é de R$ 219 000 (válido neste mês de janeiro); o modelo das imagens traz ainda pedaleiras de alumínio, tampas das válvulas estilizadas e comando giratório do câmbio com revestimento em couro e alumínio, por R$ 2000 extras.



O F-Type Coupé R é para a Jaguar o que o R8 é para a Audi: o esportivo topo-de-linha da marca, que demonstra o que a montadora é capaz de fazer em termos de estilo, bem-estar a bordo e performance. Seu design, ainda mais belo ao vivo, é inspirado no carro-conceito C-X16. Apesar da baixa estatura (1,32 metro de altura), não é preciso se curvar muito para se acomodar nos largos bancos, com ajustes elétricos. Em termos de acabamento, é um exemplo a ser seguido: forração de couro inclusive no forro de teto, com costuras vermelhas contrastantes; detalhes em preto brilhante e alumínio colaboram para a percepção de atenção aos detalhes. Existem cupês 2+2, que levam dois adultos e duas crianças pequenas atrás; já a Jaguar se refere ao F-Type como 1+1... em compensação, o porta-malas tem capacidade de ótimos 407 litros e ampla tampa.



O motor 5.0 V8 gera 550 cavalos a 6500 rpm, torque de 69,3 kgfm a 3500 rpm e... estouros saídos do escape! De 0 a 100 km/h bastam 4,2 segundos; a partir desta velocidade, o aerofólio traseiro se levanta automaticamente, e o fôlego continua até alcançar 300 km/h. Com uso massivo de alumínio na carroceria e componentes de fibra de carbono, seu peso chega a 1650 quilos.

O carro das imagens é a versão R completa (conta com teto panorâmico com persiana, faróis direcionáveis, detecção de aproximação de veículos, câmbio Quickshift de oito marchas, sistema multimídia com tela touchscreen de 8 polegadas, GPS, receptor de rádio digital, som Meridian Surround de 770 Watts e rodas aro 20'', entre outros itens) custa nada menos que R$ 662 000. Há versões mais em conta: o Coupé V6 parte de R$ 426 300, e o V6 S, de R$ 497 700.




A Newland dispõe de uma sala com múltiplas amostras de cores externas e padronagens de acabamento, além das opções de acessórios para seus modelos (soleiras, tapetes, parafusos, calotas e pedaleiras). Por ora, não há loja de souvenirs (no exterior e em boa parte das concessionárias Jaguar Land Rover pelo Brasil é possível comprar roupas, miniaturas, livros e outros artigos com a grife das montadoras inglesas).

A autorizada Jaguar Land Rover está localizada na Avenida Raul Lopes (número 1460, próximo à Ponte Estaiada); seu telefone para contato é o 3122 8200.


Dê um like!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...