sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Renault Scénic completa 20 anos de carreira


Vinte anos atrás, chegava ao mercado europeu a minivan compacta da Renault, derivada da família Mégane e batizada Scénic. O projeto, que teve design coordenado pela projetista Anne Asensio, foi tão bem sucedido que Citroën e Opel se apressaram para criar as rivais Xsara Picasso e Zafira. Confira mais detalhes desta trajetória!


Na verdade, a proposta da Scénic foi mostrada primeiramente como carro-conceito no Salão de Frankfurt de 1991, uma proposta de Sergio Coggiola de um monovolume para o futuro. Naquela época, as minivans ainda eram quadradonas; a proposta era tornar o estilo mais aerodinâmico e propiciar mais comodidade aos ocupantes, com portas deslizantes que se abriam em direções opostas com fechamento automático (sem coluna central), sistema de navegação Carminet e uso de materiais recicláveis.


Em 1996, chegava ao mercado europeu a Mégane Scénic de produção, mais compacta e acessível em relação à Espace, pioneira das minivans em território europeu, lançada em 1984 e que foi atualizada em 1997 buscando inspirações na irmã menor. 


A Scénic aproveitava a gama de motorizações dos Mégane hatch e sedan, que por sua vez eram estruturalmente baseados no monobloco do antecessor Renault 19. As opções eram 1.4, 1.6, 1.8 e 1.9, esta última movida a diesel.


No Brasil, a Scénic inaugurou a linha de montagem de São José dos Pinhais (Paraná) e foi lançado em março de 1999, trazendo bom espaço para cinco pessoas. Ainda naquele ano chegaria o Mercedes-Benz Classe A, montado em Juiz de Fora (MG), porém mais curto e com foco maior na segurança.


No Brasil inicialmente eram duas as versões: RT e RXE, esta última completa. O motor era o 2.0 de oito válvulas e 115 cavalos. Meses depois chegou a versão 1.6 16v, que rendia 110 cv.


No ano 2000, chegaram as séries especiais Egeus e Alizé, com mais equipamentos, e que motivaram a extensão destas versões para a linha Mégane no Brasil no ano seguinte.



Em 2001, a Scénic foi submetida aos crash-tests do Euro NCAP. A minivan obteve quatro estrelas para adultos e duas estrelas de proteção a pedestres, de um total de 5 estrelas possíveis.


A Scénic foi reestilizada na Europa nos idos de 1999, quando a homônima brasileira tinha poucos meses de vida. As mudanças chegaram à minivan paranaense em abril de 2001, envolvendo faróis (maiores), grade com aberturas ao estilo colmeia, para-choques, lanternas com lentes claras e capô com novas formas. O motor 2.0 passou a ter 16 válvulas, rendendo 138 cavalos.


Na Scénic 2000 europeia, o vidro traseiro contava com abertura independente da tampa do porta-malas. Nesta fase, o prenome "Mégane" foi abandonado.


Na versão RT, o ar-condicionado era item opcional. Já a Scénic RXE trazia pacote completo de equipamentos, que contemplava airbag duplo, ar-condicionado e bancos de couro. No ano de 2002, a RXE passou a poder ser equipada com motor 1.6 e 2.0.


Ainda na linha 2002, as versões com motor 2.0 passaram a contar com a opção do câmbio automático de 4 marchas. Também retornou a série especial Alizé.


O volante ficava em posição bem mais horizontal que nos automóveis. Na linha 2005, o motor 1.6 passou a beber álcool e gasolina, e a versão aventureira-urbana Sportway foi apresentada em 2006.


O projeto da Scénic II foi conduzido por Patrick Le Quément e resultou em uma minivan de linhas mais angulosas e futuristas. Entre as novidades estavam a chave-cartão e o freio de estacionamento eletrônico.


Pela primeira vez, a Scénic contava com uma versão de 7 lugares, a Grand Scénic. Ela contava com 5 centímetros a mais de distância entre-eixos e era 23 centímetros mais longa, além de 2 centímetros mais alta. Também havia a Grand Scénic para 5 passageiros, com maior porta-malas.


Outros itens práticos que estrearam na Scénic II foram o segundo retrovisor, convexo, que permitia observar o banco traseiro, e o encosto do assento do passageiro que se abaixava, formando uma mesinha. Faróis com acendimento automático e sensor de chuva também estavam presentes.


Em fevereiro de 2008, a Grand Scénic passou a ser importada da França. Ela pouco tinha a ver com a homônima nacional, uma geração atrasada, que contava com versões mais acessíveis, como a Authentique 1.6 16v. 


Em junho de 2008, chegava a arquirrival do modelo ao mercado brasileiro: a Citroën Grand C4 Picasso.



Trazida unicamente na versão Dynamique 2.0, a Grand Scénic trazia ar-condicionado digital, banco do motorista com ajuste de altura, faróis de neblina, controlador e limitador de velocidade, Rádio/CD player com MP3, retrovisores externos rebatíveis eletricamente, rodas de liga leve de 16 polegadas, sensor de luminosidade e de chuva, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro e, como opcional, teto panorâmico.


Em julho de 2009, foi apresentada na Europa a Scénic III, também com versões de 5 e 7 lugares, com dimensões intermediárias entre a Renault Modus (baseada na terceira geração do Clio) e a Espace de 4ª geração.

O ano de 2010 marcou o fim da produção da Scénic no mercado brasileiro, abrindo espaço para a fabricação do Nissan Livina, para 5 passageiros, e de sua variante Grand Livina para sete ocupantes.


No ano de 2013, chegou a versão aventureira da Scénic, a XMOD, com suspensão elevada, para-choques e rodas desenhadas especialmente para esta versão e molduras em plástico preto. Atualmente, a minivan da Renault é a segunda colocada em vendas no mercado europeu.


A quarta geração da Scénic será apresentada no próximo Salão de Genebra, em março, e terá inspirações no carro-conceito R-Space, apresentado em 2011.



quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Volkswagen antecipa novidades do Gol 2017


Na próxima semana, a Volkswagen apresenta no mercado brasileiro os Gol e Voyage linha 2017, reestilizados por fora e por dentro. As mudanças externas são sutis e se espelham no Polo comercializado atualmente na Europa. Os faróis e lanternas trazem novo esquema de iluminação e os faróis de neblina passam a ser redondos. Mas as principais mudanças estão na parte interna.


O painel é inteiramente novo, contando com linhas horizontais que emulam a nova geração do Passat. Novidades que foram incorporadas pelo Fox na reestilização de 2014, como volante multifuncional com detalhes em preto-brilhante, comandos de ar-condicionado e central multimídia passam a estar disponíveis. Este item de conectividade será um dos principais atrativos da linha 2017: com 6,5 polegadas, a tela colorida sensível ao toque permite o espelhamento da tela de smartphones compatíveis, através do Apple CarPlay e Android Auto.


Os comandos dos vidros elétricos traseiros, assim como o bloqueio do acionamento dos vidros traseiros, continuam no centro do painel, porém agora mais estreitos, liberando espaço para a instalação da tela multimídia. O quadro de instrumentos também é novo, mais informativo e com iluminação branca inclusive no computador de bordo (atualmente, esta tela é vermelha). Já os painéis de porta são similares aos do atual Gol.


O sistema multimídia também traz aplicativos próprios, como o MyGuide, que mostra pontos de interesse de acordo com o horário e o posicionamento do carro na cidade, e o Drive & Track, que analisa o modo de condução do motorista e dá dicas para melhorar o consumo de combustível.

Os novos Gol e Voyage deverão ser apresentados em 18 de fevereiro, com vendas a partir de março.


Ford apresenta Explorer XLT Sport 2017 e BraunAbility MXV



Durante o Salão de Chicago (Estados Unidos) a Ford apresenta duas interessantes versões do utilitário esportivo Explorer: o XLT Sport linha 2017 e a BraunAbility MXV, adaptado para pessoas com deficiência física. Nos próximos 4 anos, a Ford deverá apresentar outros quatro novos modelos em sua linha de SUVs globais, nos próximos quatro anos, em segmentos ainda inéditos. Somente em 2015, mais de 740 mil SUVs foram comercializados nos EUA, crescimento de 7% em relação ao ano anterior.



O evento em Chicago estará aberto para o público neste sábado (13 de fevereiro), exatamente um mês depois do Salão de Detroit. O Explorer XLT Sport 2017 chega ao mercado norte-americano no segundo semestre com detalhes diferenciados: grade frontal, capas dos retrovisores, aplique traseiro e rodas de 20 polegadas na cor cinza Magnetic, além de moldura lateral com o logotipo Explorer, rack de teto preto e revestimento interno em couro e camurça.



Equipado com motor 3.5 V6, o modelo também traz itens como destravamento por chave presencial, partida por botão, banco do motorista com ajuste elétrico em 10 posições, sistema multimídia SYNC 3 com tela sensível ao toque e faróis de neblina de LED. Posteriormente, o pacote Sport também será estendido ao Escape nas versões SE e Titanium.




Já o BraunAbility MXV é o primeiro utilitário esportivo produzido em série com acesso para cadeirantes. O SUV conta com porta lateral deslizante e rampa automáticas, além de bancos do motorista e do passageiro frontal removíveis para a fixação das cadeiras de rodas. O motor 3.5 V6 tem consumo de combustível de 7,2 km/l na cidade e 10,2 km/l na cidade.

Dê um like!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...