Mostrando postagens com marcador A Mulher e o carro. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador A Mulher e o carro. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Dodge La Femme, pioneiro pensado para as mulheres


Se nos dias atuais praticamente todo carro é "unissex", na década de 1950 a Dodge pensou em oferecer um pacote de equipamentos para o modelo Custom Royal, criando o primeiro modelo específico para mulheres (que, afinal, eram cada vez mais interessadas em automóveis e decidiam a cor de sua carroceria): o La Femme, lançado em 1955, após a boa recepção do Chrysler La Comtesse, carro-conceito apresentado no ano anterior.


Com pintura "saia-e-blusa" nas cores Sapphire White (branco) e Heather Rose (rosa) no modelo 1955, o La Femme tinha estilo moderno para a época e dimensões avantajadas: 5,385 metros de comprimento e 3,05 metros de distância entre-eixos.


Havia uma bolsa com acessórios localizada atrás do banco do passageiro da frente, que incluía pó compactado para o rosto, espelho, batom, acendedor e caixa para cigarros (é, fumar era elegante nos Anos Dourados), e ainda compartimento atrás do banco do motorista com agasalho, chapéu e guarda-chuva (combinando com as cores aplicadas ao modelo)... O painel também recebia a cor rosa. Já seu motor 4.4 V8 FirePower rendia nada menos que 235 horsepower, porém a suspensão ajustada para transmitir conforto não inspirava condução esportiva. Já naquela época, o La Femme trazia direção hidráulica (com dois tons de rosa) e câmbio automático Powerflite, com apenas duas marchas.

Para 1956, o esquema de cores foi substituído: Misty Orchid e Regal Orchid. Houve também leves atualizações na carroceria, a bolsa foi eliminada e detalhes de acabamento se tornaram mais simples. Mas, a despeito do anunciado pelo departamento de marketing da Dodge ("sucesso estrondoso"), o La Femme deixou de ser oferecido naquele ano, com o baixo interesse do público pelo Dodge. A falta de divulgação e mesmo a inexistência de unidades do modelo nas concessionárias sepultaram de vez o La Femme. Nem ao menos se sabe quantas unidades foram produzidas, pois tecnicamente era um pacote opcional e não um modelo de série, mas calcula-se que entre 1955 e 1956 existiram 2500 unidades - muito pouco, perto das 110 972 unidades fabricadas do Dodge Coronet apenas em 1955.


No Brasil, foram poucos os modelos declaradamente direcionados para o público feminino - ainda assim, não tão sexistas em relação a cores e acessórios. No início de 1984, a Fiat lançou o Oggi Pierre Balmain, com duas malas no porta-malas, para-choques e frisos na cor marrom e emblemas identificando a versão. Em 2002 chegou o Renault Clio Sedan "O Boticário", ofertado com motor 1.0 e mais equipamentos (espelho no para-sol do motorista, revestimento de veludo especial e maçanetas internas em tom que imitava alumínio, além de airbag duplo, ar-condicionado e direção hidráulica). Esta série deu certo, conquistando pelo bom custo-benefício, e foi reeditada em 2003, já com o novo visual, também com o motor 1.6. Este ano, a Renault apresentou a série especial Tweed do Sandero Stepway, que traz cores e revestimentos inspirados na moda xadrez, aliado ao pacote completo de itens de série e ao estilo aventureiro, que faz sucesso entre as consumidoras.


quarta-feira, 9 de julho de 2014

Opel apresenta Corsa 2015, reestilizado


Chamado de "quinta geração", o Opel Corsa E faz lembrar as distinções dadas aos Gol Geração III e IV e às gerações II à IV do Palio: o visual frontal e traseiro, inspirado no compacto Adam, dá a impressão de que se trata de uma carroceria completamente reformulada. Mas o formato das portas, as janelas e as dimensões entregam: o Corsa E é o D (lançado em 2006 e que só rodou no Brasil em testes de adaptação da plataforma GSV - relembre ao lado nosso flagra de 2011), pesadamente modificado - a reestilização de 2010 foi contida. A Opel não teria condições financeiras de promover uma reformulação total.


Faróis e lanternas estão mais horizontais, com recortes mais ousados. A grade frontal ficou muito similar à do Adam. O capô recebeu área maior nas laterais e vincos mais fortes, presentes também na base das portas. Na versão duas-portas, há um discreto aplique após as janelas laterais, enquanto o quatro-portas traz vigia traseira mais curvada. As maçanetas receberam apliques prateados e a tampa traseira foi redesenhada para acomodar as lanternas prolongadas.


Internamente, o habitáculo relativamente simples foi redesenhado e ganhou requintes do Adam: volante, saídas de ar, quadro de instrumentos e central multimídia são novidades no Opel. Note que o IntelliLink é o conhecido MyLink do Chevrolet Onix, com tela de sete polegadas sensível ao toque e interatividade com aplicativos como BringGo, Stitcher e TuneIn. Outras similaridades com o hatch fabricado em Gravataí (RS) estão nos comandos do volante e na chave, tipo canivete, como bem apontou Matheus Pera, do All The Cars. Entre o conta-giros e o velocímetro, foram posicionados a tela do computador de bordo e os indicadores de nível de combustível e temperatura do motor. O novo Corsa traz, ainda, câmera de ré, Hill Start Assist (solto o freio de mão, o carro não desce numa ladeira de imediato), faróis de bi-xenônio com facho direcionado em curvas, reconhecimento de placas de trânsito, sensor de pressão dos pneus, alertas de mudança de faixa sem uso da seta e de colisão iminente à frente, além do FlexFix, que facilita o transporte de bicicletas: elas vão em um suporte embutido no para-choque, onde está a placa de licença.


O Corsa passa a contar com opção de motorização 1.0 ECOTEC Direct Injection Turbo de três cilindros, que gera 90 ou 115 horsepower, ambos com o torque de 17,3 kgfm a apenas 1800 rotações por minuto. Também está disponível o 1.4 Turbo a gasolina, com 100 HP e 20,4 kgfm de torque.


A apresentação do Corsa 2015 ocorre no Salão de Paris (França), entre 4 e 19 de outubro. Simultaneamente, a britânica Vauxhall apresenta seu novo Corsa - trata-se do mesmo carro, com emblema diferenciado e adaptado à mão inglesa. Acima: Corsa B (1993), D (2006), E (2014), C (2000) e A (1982).




sábado, 24 de maio de 2014

Citroën atualiza o design do DS3


A despeito de ser considerado um dos hatchbacks mais belos da atualidade, o Citroën DS3 aproximava-se de cinco anos sem novidades visuais, o que levou a montadora francesa a fazer atualizações pontuais no estilo do modelo de entrada da "grife" DS, que se estendem à versão "semi-conversível" Cabrio. A principal novidade está nos faróis, com três módulos de diodos emissores de luz e um de xenônio, que reduzem o consumo de energia em 35% quando os faróis baixos estão acesos, e até 75% com os faróis altos ativados. A vida útil do conjunto é estimada em 20 000 horas - 20 vezes mais que as lâmpadas halógenas comuns.


Outra novidades: rodas aro 17'', de desenho similar às do DS5, sistema Active City Brake de frenagem automática em situações de colisão iminente em velocidades inferiores ou iguais a 30 km/h, mais uma opção de cor externa (Pearlescent White) e o novo motor BlueHDI 100, com reduzida emissão de dióxido de carbono: 79 gramas por quilômetro rodado.





quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Renault lança Sandero Stepway Tweed no Brasil


Recém-apresentada na Argentina, a série especial Tweed do Renault Sandero Stepway agora chega ao Brasil. É a primeira novidade da marca em 2014 (e a derradeira para o atual Sandero, que será substituído por uma nova geração, provavelmente no mês de julho). A principal peculiaridade do Stepway Tweed, que terá 1900 unidades produzidas, é a inversão de cores dos seus detalhes em relação à carroceria, inspirada no estilo Pied de Poule. Na cor branca, suas rodas (aro 16''), retrovisores, apliques dos para-choques, maçanetas externas, rack de teto e adesivo da versão são pintados na cor preta. Já o Tweed preto conta com estes mesmos itens na cor branca.




Por dentro, o estilo Pied de Poule foi adotado no revestimento das laterais dos bancos e portas. O quadro de instrumentos possui conta-giros de fundo branco e velocímetro com fundo preto. De série, o Stepway Tweed traz direção hidráulica, ar-condicionado, freios ABS, airbags frontais, faróis de neblina, vidros elétricos nas quatro portas, sistema Media NAV (com tela touchscreen de sete polegadas, GPS, Rádio, Bluetooth e entradas USB e auxiliar), retrovisores externos elétricos, alarme perimétrico e volante revestido em couro. 


Optando por câmbio manual, o motor é o 1.6 8V Hi-Power, de 98 cavalos com gasolina e 106 cv com etanol. Já com o câmbio automático de quatro velocidades, o motor passa a ser o 1.6 16V Hi-Flex, com 107 cavalos usando gasolina e 112 cv com etanol. 


O Sandero Stepway Tweed custa R$ 47 390 com câmbio manual e R$ 51 640 com câmbio automático, sendo oferecido com garantia de 3 anos ou 100 000 quilômetros.






Dê um like!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...